Como Aumentar os Níveis de Dopamina

dopamina, conhecida pela sigla DA, é um neurotransmissor monoaminérgico (assim como a serotonina e a noradrenalina), produzido pela descarbonização de dihidroxifenilalanina (DOPA), na região chamada substância negra, ou substância nigra, do cérebro. A DA é também uma precursora natural da adrenalina e da noradrenalina, as quais estão relacionadas à função estimulante do sistema nervoso central. No texto a seguir você irá aprender tudo sobre esse neurotransmissor e saberá como aumentar os níveis de dopamina de forma saudável para o seu benefício.

Quando o indivíduo está com os níveis ideais de dopamina, é comum que ele se sinta bem, com sentimentos de amor, apego, prazer, altruísmo, entre outros. Já os níveis abaixo do normal de DA em um indivíduo podem causar falta de prazer e remorsos, incapacidade de sentir amor e apego, além de uma diminuição da concentração, capacidade de resolver problemas e da memória.

Para que serve a dopamina

molecula-de-dopaminaA dopamina é liberada pelo cérebro para desempenhar diferentes funções no organismo. A substância está associada, especialmente, às funções mentais e motoras, entre elas, o aprendizado, controle dos movimentos, humor, emoções, cognição, sono, atenção, ânimo e memória.

Quando os níveis de dopamina são desregulados, podem ocorrer até mesmo transtornos neuropsiquiátricos no indivíduo, como Mal de Parkinson, resultante da escassez da substância no organismo. Já a Esquizofrenia é outro resultado mais grave, no entanto, é consequência do excesso da dopamina. Junto com a norepinefrina, a DA é um dos principais neurotransmissores associados à motivação pela vida e capacidade em enfrentarmos desafios.

Como aumentar os níveis de Dopamina

Existem várias formas de aumentar os níveis de dopamina no organismo quando eles estiverem baixos. Para tanto, é possível conhecer as causas que levam à diminuição e evitar que elas aconteçam. Um exemplo é o uso de drogas ilícitas e mesmo de drogas lícitas que podem desencadear mudanças significativas no humor, uma vez que desequilibram os níveis de dopamina no organismo.

Alguns sintomas podem ser observados quando os níveis da substância estão baixos, como falta da sensação de bem-estar, felicidade, prazer ou apego às pessoas que se ama. O indivíduo com os níveis baixos de dopamina têm dificuldade de resolver problemas e responder de forma adequada. Eles também ficam distraídos facilmente.

A falta de remorso sobre os comportamentos imorais é outro sinal da falta de dopamina no organismo, bem como cansaço, inquietude, agitação e irritação, além de dificuldade de dormir bem à noite. Já a dopamina em níveis elevados também é um problema e os sintomas são a vasoconstrição, estreitamento da parede muscular dos vasos sanguíneos, o que pode ter como consequência as extremidades frias e até necroses.

Os batimentos cardíacos podem se tornar irregulares com frequência e indivíduos com problemas respiratórios podem experimentar aumento da dispneia ou falta de ar. Náuseas e vômitos são outros sinais. Assim, quando os níveis estão baixos, a pessoa pode fazer atividades prazerosas, o que vai liberar a dopamina no organismo.

Mesmo alguns alimentos podem ajudar, inclusive, os que possuem fenilalanina e tirosina, pois são as substâncias necessárias para a produção de dopamina. Exemplos de alimentos que ajudam na produção da dopamina são a maçã, beterraba, pepino, espinafre, queijo, brócolis, melancia, banana, mel, tofu, aipo, ovo e peixe.

Mirtilo e espirulina (alga azul-verde) são outras opções, assim como as nozes, amêndoas, sementes de abóbora e gergelim, que são fontes de tirosina. Outras fontes da substância são abacate, produtos láteos e feijão. Já a fenilalanina pode ser adquiria através da semente de girassol, caroço de algodão e sementes de melancia secas.

Enquanto isso, as frutas e verduras são importantes para aumentar a quantidade de dopamina no organismo porque são antioxidantes que protegem os neurotransmissores. Por outro lado, alimentos ricos em colesterol, gorduras saturadas e açúcar refinado são exemplos do que atrapalha o bom funcionamento do cérebro e podem fazer com que os níveis de dopamina caiam.

Conforme o caso, o profissional da saúde pode receitar suplementos de vitamina C e E, entre outros, para ajudar a aumentar a dopamina. Mas além da alimentação, os exercícios vigorosos podem ser suficientes, uma vez que eles promovem o aumento da sensação de calma e capacidade de concentração.

Yoga e meditação também são eficientes, sendo que o primeiro conta com movimentos que ajudam a aumentar o fluxo de sangue para o cérebro. Como resultado disso, chegam ao cérebro oxigênio e glicose, que são substâncias fundamentais para os neurotransmissores, como é o caso da dopamina.