Estilo Barroco

O estilo barroco apareceu em 1600 na Itália, por isso, também é conhecido como seiscentismo. Assim, ele floresceu entre o final do século XVI até meados do século XVIII. Depois do seu surgimento, se espalhou por muitos países, inclusive, pelos católicos da Europa e da América. Também chegou, porém, de um jeito diferente, nas áreas protestantes e em alguns pontos do Oriente.

O Barroco abrangeu as mais diferentes manifestações artísticas, como a música, a arquitetura, as artes plásticas, a escultura e a literatura. No Brasil, não foi diferente, sendo que o marco inicial do estilo barroco no país se deu com a publicação do poema épico Prosopopeia, de Bento Teixeira, em 1601. Na literatura, existem dois sub-estilos literários, o cultismo e o conceptismo, tendo como principal característica, respectivamente, o jogo de palavras e o jogo de ideias.

Principais características do Barroco

O estilo barroco é considerado como o estilo correspondente ao absolutismo e à Contrarreforma, diferenciando-se pelo esplendor e exuberância. O Barroco, de certa forma, tratou-se da continuação natural do Renascimento, uma vez que ambos os movimentos compartilharam de um intenso interesse pela arte da antiguidade clássica. Porém, a interpretação era bastante distinta.

Ou seja, enquanto o Renascimento tratava de temáticas referentes às qualidades de moderação, austeridade, economia formal, harmonia e equilíbrio, o estilo barroco mostrava maiores contrastes, dinamismo, dramaticidade, exuberância e realismo, bem como uma forte tendência ao decorativo. O Barroco também se manifestava pela contradição, pois, ao mesmo tempo em que tinha um grande gosto pela materialidade opulenta, também dava atenção às demandas da vida espiritual.

Há quem diga que essas características não são bem evidentes ou confundem por serem apresentadas simultaneamente. Isso causa até os dias de hoje polêmicas quanto à conceituação do estilo, já que algumas produções barrocas se aproximam do classicismo renascentista e outras estão mais afastadas dele.

Por isso, muitos pesquisadores do estilo barroco enxergam o movimento não apenas como manifestações artísticas, mas sim, como um período histórico e um movimento sociocultural, onde se formularam novos modos de entender o mundo, o homem e Deus. De qualquer forma, o Barroco se caracteriza, principalmente, pelo academismo, contrastes e excessos, estilo exuberante e decorativo, uso do claro-escuro, temas religiosos e uso de figuras de linguagem, entre elas, metáfora, hipérbole, antítese, paradoxo e prosopopeia.

Contexto histórico do Estilo Barroco

O Barroco aparece no período da Contra Reforma, quando começou a crise do movimento renascentista. Essa situação é resultado de dificuldades econômicas, lutas religiosas e surgimento do antropocentrismo (homem no centro do mundo) em contraposição ao teocentrismo (Deus no centro do mundo).

Assim, o estilo barroco também se caracterizou pela confusão de conceitos e ideias, busca de valores humanísticos e o conflito do corpo e da alma. Além disso, as mudanças adentradas pelo espírito barroco se originaram de um grande respeito pela autoridade da tradição clássica, mas também de uma necessidade de superá-la com a criação de obras originais.

Música

Aqui, essa arte funciona como incremento tonal, aproveitando tons desarmônicos por dentro das escalas diatônicas como base para as modulagens na peça musical. Assim, os compositores e intérpretes usaram ornamentação musical, fazendo com que a música aumentasse em variedade, complexidade e tamanho. Os destaques ficam por conta de Antônio Vivaldi (1678-1741) e Johann Sebastian Bach (1685- 1750).

Arquitetura

Nessa manifestação, existe uma libertação espacial das geometrias, com grande riqueza de detalhes que exacerbavam as emoções por meio da riqueza e do poder da Igreja, já que apareceu no contexto das novas ordens religiosas. Prevalecia, portanto, a teatralidade e as obras monumentais, dentro e fora das construções.

Literatura

Usava a linguagem dramática, com exagero de figuras de linguagem, a fim de acentuar o conflito entre o humanismo da renascença e a tentativa de restauração de uma religiosidade medieval. Destacam-se autores como Gregório de Matos (1636- 695), Bento Teixeira Pinto (1561- 1618), Padre António Vieira (1608- 1697) e Padre António Vieira (1608- 1697).

Pintura

É realista, retratando o interior das casas, bem como as paisagens e cenas populares. Também está associada à representação religiosa, tanto católica quanto protestante, tendo como principais elementos a composição simétrica e o equilíbrio da arte renascentista, bem como o contraste de claro-escuro. Caravaggio (1571-1610), Andrea Pozzo (1642- 1709) e Rembrandt (1606- 1669) são os principais nomes.