Alimentos Ricos em Proteínas

As proteínas são essenciais para a formação e manutenção do corpo humano, onde estão em forma de moléculas que constituem grande parte de todas as células. Assim, elas também são imprescindíveis na estrutura e função celulares.

Além das proteínas serem responsáveis pela maior parte da informação genética, há diferentes tipos e cada um é especializado numa função biológica determinada. Até mesmo a palavra proteína denota a sua importância. Ela é derivada da palavra grega “proteios”, que significa “em primeiro lugar”.

Também existe proteína nos vegetais, mas nos animais é onde ela se encontra mais presente, onde corresponde a cerca de 80% do peso dos músculos, 70% da pele e 90% do sangue. Essa substância é formada por conjuntos de moléculas menores, os aminoácidos, sendo que existem 20 tipos deles e todos são importantes para o nosso organismo.

No entanto, nem todos são produzidos pelo corpo humano, dessa forma, devem ser adquiridos por meio dos alimentos. Esses aminoácidos fundamentais para o organismo são mais facilmente encontrados no leite, queijos, carnes e demais alimentos de origem animal.

Tipos de Proteínas

As diferentes espécies de proteínas são classificadas de acordo com a função que desempenham no corpo. Confira quais são algumas delas:

  • Cromoproteínas: proteínas responsáveis pela pigmentação;
  • Glicoproteínas: referem-se a agrupamentos glicídicos, como o glicocalix;
  • Lipoproteínas: associadas a componentes lipídicos;
  • Nucleoproteínas: proteínas que agem nas atividades do núcleo;
  • Endocrinoproteínas: que desempenham funções hormonais, como a insulina, que trabalha na diminuição do nível de açúcar no sangue;
  • Globina: proteína integrante da molécula de hemoglobina;
  • Albumina: imprescindível para nutrir o embrião;
  • Fibrinogênio: compõe o plasma sanguíneo, participando do processo de coagulação;
  • Queratina: integra o processo de estruturação das unhas e pelos;
  • Colágeno: proteína que confere elasticidade à pele.

Para que servem as Proteínas

Por participarem de tantos processos e estarem presentes em muitos lugares do organismo, as proteínas servem para inúmeras funções. As enzimas, por exemplo, são proteínas, que embora existam em números reduzidos são fundamentais para estimular todas as reações metabólicas.

As enzimas também capacitam o organismo para a construção de outras moléculas, entre elas, estão as proteínas, ácidos nucléicos, carboidratos e lipídios – de extrema importância para a criação e desenvolvimento da vida. Já a estrutura de uma proteína é determinante de sua função. O colágeno (ou colagénio), por exemplo, tem um formato helicoidal, além de ser longo, pegajoso, forte e se assemelhar a corda. Assim, o seu formato é ideal para dar apoio. Já a hemoglobina é uma proteína globular que é dobrada e compacta, sendo que a sua forma esférica é eficiente para manobras através de vasos sanguíneos.

Além disso, outras funções das proteínas são as seguintes:

  • Estrutural (colágeno) e sistemas contráteis;
  • Armazenamento (ferritina);
  • Transporte (hemoglobina);
  • Hormonal;
  • Anti-infecciosas (imunoglobulina);
  • Enzimáticas (lipases);
  • Nutricional (caseína);
  • Protetor.

Entenda melhor a função de cada tipo de proteína

  • Enzimas: agilizam as reações bioquímicas, estimulando o aceleramento das reações químicas. Exemplos disso são: a lactase, que quebra a lactose encontrada no leite; e a pepsina, que é uma enzima digestiva que age no estômago com o objetivo de quebrar proteínas que contém nos alimentos para que então possam ser absorvidas pelo organismo.
  • Proteínas hormonais: funcionam como mensageiras que participam da coordenação das atividades corporais. Exemplos: a insulina que regula o metabolismo da glicose, controlando a concentração de açúcar no sangue; a ocitocina incentiva as contrações em mulheres durante o parto; e a somatotropina favorece a produção de proteínas em células musculares.
  • Proteínas Estruturais: são várias, como a queratina, que fortalece os revestimentos de proteção, como o cabelo; o colágeno e a elastina fornecem suporte para os tecidos conjuntivos como tendões e ligamentos.
  • Proteínas de Armazenamento: guardam os aminoácidos, como a ovalbumina e a caseína.
  • Proteínas de transporte: transportam as moléculas pelo corpo. Exemplos são a hemoglobina e a citocromos. Enquanto a primeira transporta oxigênio através do sangue, a segunda age no transporte de elétrons.
  • Anticorpos: funcionam como defensores do organismo, para combater os antígenos (invasores). Assim, os anticorpos destroem os antígenos e os imobiliza, para que posam ser destruídos pelas células brancas do sangue.
  • Proteínas contráteis: são responsáveis pelos movimentos e pela contração dos músculos, como a actina e a miosina.

Alimentos Ricos em Proteínas

Mesmo quem não ingere alimentos de origem animal pode combinar vegetais para que juntos ofereçam os níveis de proteína que todo o organismo necessita. No entanto, os alimentos mais ricos em proteína são os que vêm dos animais. Essa combinação é necessária para que a partir dos alimentos de origem vegetal seja possível ingerir diferentes aminoácidos que formem proteínas de boa qualidade.

Confira quais são os alimentos ricos em proteína de origem animal e qual a quantidade da substância a cada 100 gramas.

  • Carnes (30g de proteína/100g);
  • Peixes (20g de proteína /100g);
  • Ovos (6 g proteína /unidade);
  • Leite (8g de proteína /100g);
  • Queijo (15g de proteína/100g);
  • Iogurtes (5g de proteína/100g).

Outros alimentos fontes de proteína:

  • Arroz e o feijão (qualquer tipo);
  • Ervilhas;
  • Milhete (cereal, como o painço);
  • Lentilhas;
  • Trigo sarraceno (grão muito usado na cozinha polaca, russa e judaica);
  • Quinoa;
  • Milho;
  • Arroz integral;
  • Ervilhas vermelhas.

Como funciona a dieta da proteína

A dieta da proteína, também conhecida como hiperproteica, é quando a alimentação ganha altos níveis da substância. No entanto, é útil apenas quando o indivíduo é um praticante assíduo de atividade física permanente e tem o objetivo de ganhar muita massa muscular (hipertrofia), como os fisiculturistas.

Nesses casos, é possível atingir os músculos almejados apenas com a ingestão de alimentos ricos em proteínas, embora seja comum o uso de suplementos alimentares, eles são úteis somente se o indivíduo tem muita pressa em alcançar os seus objetivos. Porém, nem sempre é a opção mais saudável.

Quando se quer aumentar a massa muscular por meio da alimentação, o mais comum é que se opte pela ingestão de proteínas contidas nos alimentos de origem animal, uma vez que eles são considerados de alto valor biológico. Isso quer dizer que a sua proteína é absorvida pelo organismo de um modo mais rápido e fácil.

Leave a Reply