Costumes Indígenas

Antes dos colonizadores europeus chegarem ao Brasil, existiam milhões de índios sobre as terras tupiniquins, os quais foram reduzidos hoje a 350 mil. Mesmo assim, a miscigenação permitiu que a raça indígena permanecesse viva, já que 70% dos brasileiros brancos têm índios ou negros entre seus antepassados.

Além dos índios mortos pelos europeus em batalhas, a nação indígena também sofreu com as doenças trazidas pelo homem branco, como gripes, sarampo, sífilis e outras doenças para as quais o índio não possuía defesas. Hoje em dia, eles são dizimados como consequência do desmatamento, da construção de hidrelétricas e pelo chamado desenvolvimento que tira do índio o seu habitat natural, obrigando-o, muitas vezes, a viver nas grandes cidades, onde não conseguem ter o mínimo de condições para viver.

Os grupos indígenas no país foram classificados em 11 áreas culturais: Norte-Amazônica, Tapajós-Madeira, Alto-Xingu, Tocantins-Xingu, Juruá-Purus, Guaporé, Pindaré-Gurupi, Nordeste, Tietê-Uruguai, Paraná e Paraguai.

Costumes Indígenas e sua cultura

Existem muitas tribos que compõem a nação indígena brasileira e mesmo que cada uma delas conte com a sua própria cultura, é possível encontrar costumes que são comuns na maioria, entre eles:

  • Alimentação exclusivamente provinda da natureza: carnes, tubérculos, legumes e frutos;
  • Habitam moradas construídas com elementos da natureza, como galhos de árvores, palhas, troncos, folhas secas, barro, etc;
  • Hábito de tomar banho vários vezes ao dia em riachos, lagos e rios;
  • Hábito de dividir quase tudo que possuem, principalmente, os alimentos;
  • Homens caçam em grupo, sendo que produzem as suas próprias armas, podendo ser arcos, instrumentos cortantes feitos com bicos de aves, armas talhadas em madeira, etc.
  • Mulheres fazem artesanato com o que é encontrado na natureza, em especial, para confeccionar objetos de arte, como máscaras, potes e vasos de cerâmica, colares e outros;
  • Também confeccionam cestos, bolsas e esteiras, bem como instrumentos musicais e esculturas.
  • Usam enfeites com plumárias, diversos tipos de cocares, braceletes, cintos, brincos. Alguns adornos são feitos de sementes, cocos, unhas, conchas, ossos, etc.
  • Hábito de usar o pilão, variando a forma como o usam, algumas índias socam de pé, outras de joelho.
  • Crianças aprendem as atividades que vão desempenhar quando crescerem;
  • Realização de cerimônias e rituais com música e dança, além de pinturas para decorar o corpo;
  • Rituais de passagem que marcam a mudança da fase de criança para adulta;
  • Religião fundamentada na existência de forças e espíritos da natureza;
  • Doenças são tratadas com plantas, além de realizarem rituais de cura, dirigidas por um pajé.

As casas dos índios são chamadas de malocas ou ocas tendo como medidas aproximadas: 20 metros de comprimento, 10 metros de largura e 6 metros de altura. Para a ventilação das mesmas, é comum que façam uma espécie de parede dupla com um espaço entre ambas. Assim, tanto nos dias frios como nos quentes o ambiente é agradável.

Porém, conforme o local que os índios habitam eles podem construir outros tipos de ocas, adequando às necessidades do lugar. Em cada aldeia existem várias malocas, nas quais vivem diferentes famílias e um chefe para o grupo. Os índios podem se agrupar de diferentes formas, como casais, consanguíneos (parentesco), intercasamento e relações de servidão.

Outro costume comum a muitas tribos é que na maioria dos grupos o casamento pode ser dissolvido, no entanto, é comum que a mulher só possa casar após a primeira menstruação – momento que em geral é acompanhado de um ritual especial, conforme a tribo.

Quanto às relações conjugais, não existem padrões morais de virgindade ou adultério, sendo que em momentos de entrave tudo é resolvido por meio do diálogo entre parentes próximos e com acordos entre as famílias. No Brasil, existem, ainda, tanto tribos matriarcais, quanto patriarcais, além de algumas serem monogâmica e outras poligâmicas – tanto homens quanto mulheres com mais de um conjugue.

Crenças Indígenas

As crenças também variam conforme a tribo, sendo que muitos índios acreditam em um bom deus – Tupã – e um espírito maligno – Anhangá, ao sul e Jurupari, ao norte. Outras tribos apenas adoram o Sol (Guaraci) e a Lua (Jaci).

Quanto à morte, há os grupos que incineram seus mortos, outras os devoravam e a maioria os colocam na posição de fetos, em grandes potes de barro. Hoje em dia, muitas de suas crenças foram adaptadas ou mudadas devido ao contato com o homem branco, embora existam tribos que continuam vivendo isoladas, inclusive, na Amazônia.