Ferritina Alta e Baixa

ferritina é uma proteína que armazena ferro, sendo encontrada em todas as células, em especial, nas envolvidas na síntese de compostos que contêm ferro e no metabolismo e reserva desse mineral. É considerada uma macromolécula que está, principalmente, no fígado, mas também nas células do sistema retículo endotelial do fígado, baço e medula óssea.

A proteína existe, ainda, no coração, pâncreas e rins, porém, em concentrações menores. Além disso, o soro humano recebe pequenas quantidades da substância. A ferritina circulante refere-se ao nível de ferro estocado no organismo, enquanto os níveis séricos (no sangue) dizem respeito à quantidade do mineral disponível no corpo.

Para que serve e o que significa Ferritina Alta e Baixa

A principal serventia da ferritina é a de armazenar o ferro e liberar o mineral, de modo controlado, de acordo com a necessidade do organismo. Além disso, o ferro da ferritina é facilmente transportado quando o organismo precisa dele. À função primária da ferritina está associado, ainda, o acúmulo de ferro intracelular a fim de proteger a célula dos efeitos tóxicos do metal livre.

Dosagem de Ferritina

Um grama da proteína pode estocar até 8 mg de ferro. A ferritina estoca ferro através do seu sequestro no organismo, sendo que pode transformar o ferro bivalente em ferro trivalente ativo. Os valores de referência da ferritina sérica normal são os seguintes:

  • Em homens: de 16 a 300 ng/mL;
  • Em mulheres: de 4 a 161 ng/mL.

Quando a mulher está grávida, entretanto, é normal que haja ferritina baixa, uma vez que existe o aumento da quantidade de sangue e da passagem de ferro pela placenta para o bebê.

Níveis Baixos e Altos de Ferritina

Ferritina baixa significa que o organismo do individuo apresenta níveis baixos de ferro, entre as causas, as mais comuns são:

  • Alimentação pobre em ferro e vitamina C.
  • Anemia ferropriva.
  • Sangramento menstrual intenso.
  • Hipotireoidismo.
  • Sangramento gastrointestinal.
  • Perdas excessivas (hemorragias digestivas, hemorroidas, ulcerações digestivas).
  • Má absorção do ferro (diarreias, gastrectomia).

A ferritina em níveis baixos pode estar associada, ainda, à síndrome das pernas inquietas. Além disso, pode acontecer do indivíduo ter desejo de comer substâncias estranhas, que possuam ferro como terra, giz, alcaçuz e poeira.

Já a ferritina alta indica o acúmulo excessivo de ferro no corpo, podendo estar associada aos sintomas de traumatismos, inflamações agudas ou infecções. Os casos mais comuns são os seguintes:

  • Anemia hemolítica e megaloblástica.
  • Leucemia.
  • Doença hepática alcoólica.
  • Hemacromatose.
  • Linfoma de Hodgkin (doença de Hodgkin).
  • Infarto do miocárdio em homens.
  • Doença de Still do Adulto.

Sintomas e Tratamentos

Os sintomas de ferritina baixa podem ser:

  • Cansaço.
  • Fraqueza.
  • Palidez.
  • Falta de apetite.
  • Queda de cabelo.
  • Dores de cabeça.
  • Tonturas.
  • Sensação de queimação.
  • Lesões nas comissuras labiais.
  • Unhas arqueadas em formato de colher.
  • Sonolência.
  • Irritabilidade.
  • Zumbidos auditivos.
  • Dor no tórax e nos membros.
  • Insuficiência cardíaca.

Para tratar os baixos níveis de ferro no organismo, é necessário aumentar o consumo de alimentos ricos em ferro e em vitamina C, bons exemplos são: feijão, lentilha, grão de bico, soja, alcachofra, verduras, carne e frutas cítricas.

Quando o défice de ferro não é tratado, o indivíduo fica com as suas defesas imunitárias diminuídas, o que pode provocar menor resistência às infecções e mesmo risco maior de câncer, bem como alteração das estruturas epiteliais.

Quanto aos sintomas do excesso de ferritina, os mais comuns são:

  • Dor nas articulações.
  • Cansaço.
  • Falta de ar.
  • Dor abdominal.
  • Diminuição da libido.
  • Problemas cardíacos.

Para tratar e diminuir a ferritina alta é preciso conhecer a sua causa e focar no seu tratamento. Em alguns casos, pode-se ter que fazer a retirada de sangue para equilibrar os níveis de ferro e mesmo diminuir a ingestão de alimentos ricos em ferro ou vitamina C.

Quando não são diminuídos os valores de ferro do organismo, os sintomas podem se agravar, uma vez que haverá acúmulo do metal nos tecidos do organismo. Se o problema evoluir para uma ferritina cronicamente alta, por exemplo, o resultado pode ser o desenvolvimento de doença no pâncreas, bem como o indivíduo desenvolver um quadro de diabetes.