Floresta Amazônica – Vegetação, Desmatamento e História

Chamada de pulmão do mundo, a Floresta Amazônica é uma das principais regiões de mata e biodiversidade do globo terrestre e a maior floresta tropical. Com quase 7 milhões de quilômetros quadrados, está localizada no norte da América do Sul, abrangendo não apenas o solo do Brasil, mas também do Peru, Equador, Venezuela, Bolívia, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa e Suriname.

No entanto, é em território brasileiro onde está a maior parte da Floresta Amazônica, abrangendo os estados do Acre, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima e Amazonas. Portanto, para o país, é a cobertura vegetal com maior importância, correspondendo a 45% do território. Também é denominada Floresta latifoliada equatorial, Selva Amazônica, Floresta Equatorial da Amazônia, Floresta Pluvial e Hileia Amazônica.

A sua biodiversidade se traduz em mais de 2500 espécies de árvores e outras 30 mil de plantas. Já que se caracteriza pela perenidade, a Floresta conta com as suas folhas verdes durante todo o ano.

História da Floresta Amazônica

Estudos apontam que a Floresta Amazônica se formou ao longo do período Eoceno (entre cerca de 55 milhões e 36 milhões de anos atrás) na mesma época em que possivelmente formaram-se os Alpes e o Himalaia. Estima-se que a Amazônia tenha surgido depois de uma redução das temperaturas tropicais do Oceano Atlântico, quando ele tinha alargado o suficiente para resultar em um clima quente e úmido, colaborando para o surgimento da bacia amazônica.

Acredita-se que a Floresta se estendia por todo o continente, chegando o Paralelo 45 S, onde está a Patagônia. Além disso, a floresta passou por uma série de mudanças na paisagem do planeta e mesmo depois de atravessar períodos glaciais conseguiu permanecer com parte de sua diversidade de espécies.

Matas da Floresta Amazônica

A Floresta Amazônica tem diferentes tipos de matas, as quais são classificadas de acordo com a sua proximidade dos cursos de água. Existem, dessa maneira, três subtipos principais, são elas as seguintes:

Mata de igapó

floresta-amazonica-mata-de-iguapo

Esse tipo de mata também é denominado de floresta alagada, uma vez que se encontra situada bastante próxima aos rios, assim, permanecendo constantemente inundada. As suas plantas características são de pequeno porte se comparadas às demais. Elas também estão adaptadas à umidade, contando na maioria das vezes com raízes elevadas que acompanham os troncos.

Mata de várzea

floresta-amazonica-mata-de-varzea

Essa mata também tem as suas épocas de inundações, os quais são mais comuns no chamado período das cheias dos grandes rios, já que estão localizadas em áreas um pouco mais elevadas. A sua vegetação é muito fechada, em grande quantidade, com árvores altas, com uma média de 20 metros de altura. Os seus galhos costumam ser espinhosos, dificultando o acesso à mata. Entre as espécies, destacam-se a Seringueira e o Jatobá.

Mata de terra firme

floresta-amazonica-mata-de-terra-firme

É fechada com árvores de grande porte. O seu solo não é muito rico, já que tem somente uma fina camada de nutrientes, constituída pela decomposição de animais mortos, frutos e folhas. No entanto, essa camada é essencial para as espécies de plantas e árvores da região.

Desmatamento e Problemas Atuais

É mundialmente conhecido o problema do desmatamento pelo qual a Floresta Amazônica está passando nas últimas décadas, o que aumentou com a industrialização do país e o crescimento da atividade agropecuária. Além disso, a falta de fiscalização pelos órgãos públicos torna esse problema ainda maior, sendo o desmatamento ilegal e predatório uma constante.

É comum que madeireiras se instalem na Amazônia com o intuito de cortar e vender troncos de árvores nobres. Nos últimos anos, a plantação de soja transgênica tem substituído a paisagem original, que em grande parte é destinada à exportação. Não sendo suficiente, é usado o sistema de queimadas para dizimar a floresta, o que contribui para as mudanças climáticas.

Menos divulgado, porém, não menos preocupante, é a biopirataria que afeta a Floresta Amazônica e não é de hoje. Assim, cientistas estrangeiros entram na floresta, sem autorização, e levam embora plantas e espécies de animais. A partir isso, as pesquisam em seus países e desenvolvem substâncias e registram patente, o que lhes rendem bons lucros.

Por fim, deve-se falar da contaminação dos rios, ocasionada em especial ao mercúrio usado nos garimpos, que ainda existem nos estados abrangidos pelo Amazônia. Com isso, não apenas o país perde em qualidade de vida, mas em especial os índios que habitam a Floresta Amazônica e fazem uso de suas águas para sobreviver.

Clima da Floresta Amazônica

Com clima equatorial, devido à proximidade com a linha do equador, a Floresta Amazônica possui temperaturas elevadas e alta quantidade de chuvas. Num dia normal, é comum o calor durante o dia e as chuvas fortes no final da tarde.