Fome no Brasil

Fome é o termo que é usado para designar a sensação fisiológica que o corpo manifesta quando precisa de alimento para manter o seu organismo em funcionamento. Porém, a palavra é mais frequentemente empregada para designar as situações de má nutrição ou quando os indivíduos são privados de se alimentar.

Esses casos são, principalmente, consequências da pobreza, conflitos políticos ou mesmo condições agrícolas adversas. Nesse último caso, a fome se dá por causa da escassez de alimentos que pode afetar um grande número de pessoas.

Para ter uma ideia, no mundo estima-se que 1 bilhão de pessoas passa fome, além disso, existem 150 milhões de crianças subnutridas com menos de cinco anos. Já são quase 13 milhões de crianças que morrem todos os anos de fome, antes de completar meia década de vida.

Causas da fome no Brasil

No Brasil, são claras as causas da fome, a diferença social é grande, criando um abismo entre quem tem muito e quem não tem nada. Para melhor explanar isso, um dado é muito importante: no país, os 10% mais ricos detêm quase toda a renda nacional. Além disso, existem outras causas para a fome, como o clima, as secas, inundações, pragas, etc.

No entanto, ao menos no Brasil, são causas temporárias, já que o desemprego, a crise na educação e outros problemas econômicos são os principais responsáveis pela falta de comida em muitas casas. Na realidade, a fome no Brasil é o resultado de uma série de consequências. Na maioria das vezes, o que desencadeia todos os demais, são os problemas econômicos do país.

Ou seja, a instabilidade política, a má administração dos recursos naturais e do dinheiro público são exemplos de problemas que prejudicam os mais pobres, no estilo efeito dominó. Guerras e conflitos também podem causar fome, mas no Brasil esses problemas são menos significativos.

No entanto, o difícil acesso aos meios de produção pelos trabalhadores rurais, que fez nascer o Movimento sem terra, por exemplo, é um dos motivos que prejudicam o igualitário acesso aos alimentos. Além disso, o deficiente planejamento agrícola é um grande problema no país, já que em muitas terras são privilegiados o cultivo de plantas que não servem à alimentação.

Esse é o caso da soja, que além de transgênica, serve de commodities no mercado internacional, bem como do fumo e da cana de açúcar, que ocupam grandes faixas de terras brasileiras, mas não servem para alimentar. A isso não se pode esquecer-se da influência das transnacionais de alimentos na produção agrícola.

Porém, essas causas da fome no Brasil têm origem dos primeiros anos da colonização europeia no país. Desde aquela época muitos cidadãos sofrem com a injusta estrutura fundiária, marcada pela concentração da propriedade de terras nas mãos de poucos.

A ironia disso tudo é que o Brasil é o quinto maior país do planeta em termos de extensão territorial. Mas ao invés de focar na produção de alimentos para o povo, privilegiam-se, inclusive nos últimos 20 anos, a produção de energia elétrica e o crescimento industrial.

Soluções para a fome no Brasil

Tratando-se do Brasil uma democracia, uma das formas de solucionar a fome do país é, segundo especialistas, exigir que o governo faça políticas públicas que tenha como objetivo a redistribuição de riquezas, através dos seguintes programas:

  • Distribuição de renda: por meio de políticas de geração de emprego e renda e recuperação do poder aquisitivo por meio do ajuste do salário mínimo.
  • Reforma agrária: aceleração do processo de reforma agrária, a fim de assentar todas as famílias sem terra, as quais vão produzir alimentos saudáveis para consumo da população. Isso também dará um melhor uso às terras subutilizadas, o que é uma obrigação do Estado conforme a Constituição.
  • Acesso aos recursos produtivos: além da reforma agrária, os pequenos agricultores devem usufruir dos mesmos benefícios cedidos às grandes empresas, como créditos rurais de produção e para a aquisição de maquinário.

Essas atitudes não vão apenas solucionar a fome no país, como também garantir a segurança alimentar. É preciso, como alguns especialistas afirmam, uma verdadeira guerra contra a fome e a miséria. Isso só será alcançado com uma mudança estrutural profunda na organização social, bem como na mentalidade da elite brasileira.