Parnasianismo

O Parnasianismo é um movimento literário que ocorreu, mais precisamente na França, no século XIX. De cunho principalmente poético, os escritos parnasianos são essencialmente poetas e entre eles os mais importantes do movimento foram nomes como, Théodore de Banville, José Maria de Heredia, Théophile Gautier e Leconte de Lisle.

O objetivo dos parnasianos com a sua poesia era o de buscar o sentido para a existência humana por meio da perfeição estética. Dessa forma, era comum que a preocupação residisse na “Arte pela Arte”. Isso significa, em outras palavras, que a forma é a caraterística principal da poesia para os poetas do movimento parnasiano.

O movimento também se deu no Brasil, sendo que aqui o marco inicial foi a obra Fanfarras, de Teófilo Braga, em 1882. No entanto, os principais poetas parnasianos no país formavam a chamada Tríade Parnasiana. Ela era constituída por Alberto de Oliveira, Raimundo Correia e Olavo Bilac.

Nessa época, a literatura no país estava abandonando o sentimentalismo que caracterizava os escritores românticos e seguindo por outros caminhos, como o Realismo e o Naturalismo, na prosa, e o Simbolismo e o Parnasianismo, na poesia. Para os parnasianos, as obras do movimento romancista escondiam as verdadeiras qualidades da poesia.

Dessa forma, esses poetas negavam não apenas o sentimentalismo, como também a linguagem simples e o vocabulário brasileiro, empregados pelos românticos. Para os parnasianos, a inspiração nos modelos clássicos – uma de suas características – iria colaborar no combate às emoções e fantasias exageradas dos romancistas, a fim de garantir o equilíbrio almejado.

Características do Parnasianismo

É possível listar as principais características do Parnasianismo com as seguintes definições:

  • Arte pela arte;
  • Universalismo e objetivismo;
  • Positivismo e cientificismo;
  • Busca da perfeição;
  • Uso de rimas ricas e palavras raras;
  • Preferência por estruturas fixas (soneto);
  • Descrição visual bem detalhada;

O movimento também tinha como predicado a chamada sacralidade e o culto à forma, uma vez que possuía grande preocupação com a estética, metrificação e versificação. Quanto aos principais temas abordados pelos poetas parnasianos estão os baseados na realidade, podendo ser paisagens e objetos e paisagens, bem como fatos históricos, mitologia grega e cultura clássica.

Escritores Parnasianos Brasileiros

Teófilo Dias (1854-1889)

Já possuía a poesia em seu sangue, pois era sobrinho do poeta Gonçalves Dias. Teófilo Odorico Dias de Mesquita também foi jornalista, professor e advogado. É o patrono, na Academia Brasileira de Letras, da cadeira 36. O seu trabalho Fanfarras, de 1882, foi o responsável pelo marco inicial do Parnasianismo no país. Outros de seus livros são Flores e Amores (1874), Cantos Tropicais (1878), Lira dos Verdes Anos (1878) e A comédia dos deuses (1888).

Olavo Bilac (1865-1918)

É talvez o mais famoso entre os poetas parnasianos. Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac também é notório como Príncipe dos Poetas Brasileiros. Além de poeta, foi tradutor e jornalista, além de ter sido um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. O seu trabalho se caracteriza pelo estilo clássico e os temas que abordava eram os patrióticos, históricos, sensuais, emotivos e platônicos.

Na sua bibliografia destacam-se obras como Poesias (1888), Crônicas e novelas (1894), Conferências literárias (1906), Tratado de versificação (1910) e Ironia e piedade, crônicas (1916 e Tarde (1919).

Alberto de Oliveira (1857-1937)

É o pseudônimo de Antônio Mariano de Oliveira, que além de poeta parnasiano foi farmacêutico, professor e também integrante do grupo que fundou a Academia Brasileira de Letras. O seu primeiro trabalho publicado foi Canções Românticas, de 1878.

Embora esse livro possua particularidades do estilo romântico, a obra do poeta é, principalmente, caracterizada pelas estruturas e temáticas parnasianas. Entre elas, destacando-se a composição de retratos, quadros e cenas e a descrição minuciosa. Outros de seus livros são Meridionais (1884), Poesias (1900) e Céu, Terra e Mar (1914).

Raimundo Correia (1859-1911)

Foi um dos fundadores do Sodalício Brasileiro. Raimundo da Motta de Azevedo Corrêa dedicou-se ainda à carreira de juiz e seu primeiro trabalho como poeta parnasiano foi publicado em 1879, Primeiros Sonhos. Assim como Alberto de Oliveira, a sua obra possui atributos associados ao romantismo, além de características simbolistas.

Por isso, sua poesia diverge em parte do movimento, já que a sua obra também é subjetiva e pessimista. Ao mesmo tempo, entretanto, conta com imensa preocupação métrica. Outros livros de sua autoria são Versos e Versões (1887) e Poesias (1898).