Preconceito Racial

Preconceito racial ou racismo é um conjunto de opiniões baseadas na grande importância que algumas pessoas dão às diferenças biológicas entre os seres humanos. Com isso, se tem não apenas ideias pré-concebidas como também se atribui superioridade a alguns seres conforme a sua matriz racial.

As diferenças entre os indivíduos se dá a partir das características físicas, caráter, inteligência ou manifestações culturais. Como consequência, pessoas que acreditam fazer parte de uma raça superior, muitas vezes, já usaram esse argumento para justificar a escravidão, o domínio de determinados povos e os genocídios ao longo da história da humanidade.

História do Preconceito Racial

A história do racismo pode-se dizer que existe desde sempre, começando na Antiguidade, quando o preconceito racial se assemelhava à xenofobia – medo ou aversão aos estrangeiros. Isso porque era comum que um povo, de mesma matriz racial, guerreasse entre si, e quem perdia costumava ser cativo (semelhante a estar preso) ao vencedor.

Já na Idade Média foi quando apareceu o sentimento de superioridade de acordo com as crenças religiosas. No século XV, quando os conquistadores portugueses entraram em contato com os africanos, embora os primeiros tenham escravizado os segundos, isso não se deu por questões raciais. Historiadores apontam que o comércio de escravos, naquela época, funcionava por meio de acordos comerciais entre os europeus e a África, a fim de aumentar o número de trabalhadores.

Foi no século XIX, quando os europeus começaram a colonizar a África e as Américas, que a questão racial veio à tona, como justificativa para impor as leis aos povos das regiões colonizadas. Nesse sentido, os europeus tinham os índios e negros como raças inferiores.

A partir disso, começaram os casos de genocídio (assassinato deliberado de pessoas motivado por diferenças  raciais, religiosas, etc e/ou assassinato em massa por causas políticas). Essas mortes, por sua vez, só acentuaram os sentimentos racistas. Entre os exemplos mais extremos de racismo está a confinação de índios em reservas e as leis para instituir a discriminação, como o apartheid na África do Sul e as leis de Jim Crow, nos Estados Unidos.

Entre os casos de genocídio com maior número de mortos está o de judeus na Europa, entre os anos de 1939 e 1945, que resultou em 6 milhões de mortos; de minorias no Camboja (1975-1979) com estimativa de 2 milhões de mortos; de ucranianos na Ucrânia (1932-1933) podendo haver de 2,6 a 10 milhões mortos; e de armênios no Império Otomano (1915) com estimativa de 1,5 milhão mortos. Porém, esses são apenas alguns exemplos.

Preconceito Racial no Brasil

No Brasil, existe a discriminação racial, principalmente, contra o negro e o índio. Embora existam movimentos contra o racismo, ele existe desde que o Brasil começou a ser colonizado pelos europeus. Desde então, pouco foi feito contra essa situação, mesmo a Abolição da Escravatura não trouxe a igualdades a todas as pessoas.

Embora estudiosos sejam positivistas ao afirmar que o preconceito aos poucos está sendo erradicado, estimativas do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mostra outra realidade. No Brasil, o salário dos trabalhadores brancos são maiores, cerca de 50%, mesmo ao desempenhar as mesmas funções que os negros.

Na educação, o analfabetismo, a repetência e a evasão escolar são mais acentuados entre os estudantes negros. Quanto aos índios, mesmo a pequena porcentagem que ainda existe viva sofre frequentes massacres.

Preconceito Racial nos Estados Unidos

Os Estados Unidos, embora seja chamado por muitos como a terra da liberdade, é um país onde os preconceitos raciais são extremos, não só contra os negros, mas também contar os índios (que foram quase dizimados quando os europeus chegaram). Asiáticos e latino-americanos também sofrem preconceito.

O racismo contra o negro foi maior no sul do país, até 1965, quando existiam leis que não permitiam aos negros frequentar os mesmos lugares que os brancos, entre outras limitações, a chamada segregação. Embora o preconceito ainda exista, algumas coisas mudaram, já que nem pessoas de raças diferentes podiam casar.

Porém, a Ku Klux Klan (KKK), que defende a “supremacia branca” existe até hoje e foi ela a responsável pelo linchamento de muitos negros e por ter queimado vivos tantos outros.

Diferenças entre preconceito e discriminação

A diferença entre preconceito e discriminação é que enquanto o primeiro é um sentimento que se origina por motivos culturais ou de deformação mental, como se fosse um hábito de pensamento ou uma convicção herdada, a discriminação racial é quando o preconceito é colocado em prática.

Assim, a discriminação se manifesta por atitudes e comportamentos políticos, sociais e/ou econômicos. Isso significa que não se pode obrigar ninguém a não ser preconceituoso, mas é possível sim combater a discriminação de diferentes maneiras, até mesmo pela repressão.

Ideologia

Como uma ideologia, o racismo existiu durante o século XIX como “racismo científico” ou racialismo, o qual procurava classificar a humanidade quanto a sua raça. Mesmo que o Holocausto tenha desacreditado essa teoria, ela ainda existe em todo o mundo.